Urandir: Sol acordando: aurora boreau nos EUA


urandir contatado sol acordando aurora michiganA maior explosão maior  solar em radiação  em seis anos atingiu a Terra no dia 24 de janeiro, tendo chegado ao nosso planeta partículas de alta energia atômica, dizem os cientistas,  o que poderia ter causado mau funcionamento de satélites de comunicação e redes de energia. O maior impacto ocorreu na área do Pólo Norte. Enquanto isso, nos Estados Unidos, registrou-se  o fenômeno da aurora boreal  que não era visto na região há anos e surpreendeu os especialistas .

As zonas polares têm pouca proteção contra explosões de radiação solar, devido à estrutura do campo magnético da Terra. Aviões evitam se utilizar de rotas para o Norte polar porque tempestades de prótons podem interromper as comunicações de rádio de alta frequência, disse em uma entrevista o especialista da NOAA Weather Prediction Center, físico Doug Biesecker.  Equipamentos de alta precisão do GPS também podem ser afetados pela radiação solar, mas as pessoas comuns dificilmente notam os erros de posicionamento do GPS.
Enquanto isso, as Luzes do Norte iluminou os céus da Escócia, norte da Inglaterra e Irlanda com auroras, o que é uma raridade para a região relativamente ao Sul. A luz das auroras ficou visível por alguns dias, mais de acordo com o diretor da seção de Aurora do British Astronomical Association, Ken Kennedy.
A primeira tempestade solar deste ano foi registrado em 19 de janeiro pelo extra-magnetosfera satélite da NASA no Solar and Heliospheric Observatory SOHO, Solar Terrestrial Relations Observatory STEREO, e Advanced Composition Explorer ACE, que ocorreram após dois meses  de relativa calmaria do Sol, sendo que a tempestade foi classificada como um grau relativamente fraco de nível  5.
A tempestade solar de do dia 21 de janeiro foi muito diferente. A última vez que uma tempestade de  tal força  aconteceu foi há sete anos, em maio de 2003, conforme o chefe do Instituto Russo para os Terrestrial Magnetism Ionosfera e Rádio Propagação de Ondas Sergey Gaydash. Segundo ele, aquela tempestade esteve acompanhada por um “evento protônica ‘so-called – um aumento acentuado em um fluxo de prótons de alta energia com velocidades de até quatro milhões de quilômetros por hora. Níveis perigosos de 10-50 MeV (megaelectronvolt) de  prótons já foi ultrapassado, enquanto os níveis de 100 MeV prótons – o mais perigoso para os satélites e equipamentos eletrônicos – não passou do limiar crítico .(font:e: http://rt.com/news/solar-storm-protonic-event-551/)

Artigo publicado em 2012-01-27 20:21:58.